quinta-feira

Tecendo a Teia da Vida





Sente-se em um lugar tranqüilo.
Respire profundamente por pelo menos três vezes.
Relaxe progressivamente seu corpo, começando pelos pés e chegando à cabeça.
Agora, volte sua atenção para os pés. Você está calçado? Está usando uma meia? Pense na pessoa que lhe vendeu ou deu esta meia (não importa se você não conseguir lembrar precisamente da pessoa, lembre-se apenas do ato de comprar ou ganhar a meia).
Sem ela, você não teria essa meia. Sinta seu coração se abrir, e dele sair um pequeno fio dourado de agradecimento que o liga ao coração de quem tornou possível que você tivesse essa meia.
Pense, agora, no algodão que foi tecido para que essa meia fosse possível. Nos insetos que participaram da polinização desse algodão. Nas pessoas que colheram e processaram esse algodão. Lance vários pequenos fios dourados de agradecimento para o algodão, para o solo em que o algodão cresceu, para os polinizadores do algodão, para as pessoas que o processaram.
Se quiser, continue fazendo isso em relação a todas as roupas e objetos que usa. Mas, se preferir, pense agora em seu corpo. Lembre-se de que é ele que torna possível sua vida neste planeta. Quem lhe deu esse corpo? Seus pais. E mesmo que você possa ter problemas em relação a eles, essa dádiva inestimável tem que ser agradecida. Lance um forte fio dourado de gratidão aos que lhe permitiram ter uma existência física.
Pense, agora, no ambiente onde está. Nos homens que o construíram. Nos materiais que foram usados. Na madeira da cadeira, no tecido do estofamento, nas cerâmicas do chão. A cada objeto que lhe vier a mente, lembre-se de toda a cadeia de seres que foi necessária para fazer com que ele estivesse aqui. E lance um fio dourado de gratidão para cada um desses seres: o fungo que preparou o solo, a árvore que cresceu, o homem que cortou a madeira, o homem que fez a cadeira, o homem que fez os instrumentos que fizeram a cadeira, e assim por diante.
Quando se sentir cansada/o, apenas sente e contemple o que você construiu. A partir de seu coração, uma infinidade de fios a/o liga a todos os seres que vivem neste planeta! Você vive porque eles lhe permitem viver. E eles vivem porque outros seres lhes permitem viver.
Esses fios formam uma colcha de luz, uma teia de luz e calor. Essa é a teia da vida, que recobre todo o planeta Terra. Essa é a preciosa herança que recebemos de nossos pais e que temos que preservar para nossos filhos.
Deixe que a energia flua entre você e todos os seres, através dos fios dourados. Receba a energia que lhe enviam, envie-lhes energia. Teça a vida universal a partir de seu coração.
Quando sentir que é o momento de terminar, agradeça a todos eles - e sinta que lhe agradecem também.
Depois, se quiser, procure escrever ou desenhar o que sentiu. Esses momentos de meditação, especialmente meditações de compartilhamento como essa, podem trazer idéias e sentimentos muito importantes.
Se quiser usar uma versão rápida dessa técnica, habitue-se a, periodicamente, lembrar-se das milhares de vidas que constroem a sua vida e a agradecer-lhes. Faça isso ao comer, ao tomar banho, ao adquirir um objeto - sempre que se lembrar.

Um comentário:

Lara Lírica disse...

Olá Sol, agradeço a sua participação no meu blog. Adorei ler o texto que você postou. Assim que sair o resultado da premiação eu aviso vc. Um abraço!